O fato foi registrado na cidade de Caranana (879 quilômetros de Cuiabá).
O fato foi registrado na cidade de Caranana (879 quilômetros de Cuiabá).

Uma criança indígena recém-nascida foi enterrada viva, na última terça-feira (05), e resgata por equipes das polícias Civil e Militar.

O fato foi registrado na cidade de Caranana (879 quilômetros de Cuiabá).

Segundo as informações iniciais, a própria avó teria sido responsável por enterrá-la, já que a mãe teria se envolvido com um índio de outra etnia.

A Polícia Militar informou que recebeu uma denúncia anônima de que em um local onde residia uma família indígena, a avó teria enterrado a própria neta, uma recém-nascida, por volta das 14 horas, com o consentimento da mãe.


Os militares então foram até o local indicado, onde a avó confirmou o fato. A família disse que seria uma tradição de sua etnia. Foi realizado o isolamento da área e acionada a Polícia Judiciária Civil.

Quando o investigador começou a cavar, percebeu o choro da criança. As equipes então rapidamente retiraram a menina de dentro da cova, por volta das sete horas depois de ela ter sido enterrada.

A menina foi levada com urgência para uma unidade de saúde da região, onde foi atendida. A suspeita era de que ela tivesse duas fraturas no crânio.

A mãe da bebê disse que ela teria nascido morta e por isso decidiram enterrá-la, como mandaria a tradição da etnia. Porém, a avó disse que o pai não iria assumir a criança e já estaria morando em outra aldeia, onde tinha relacionamento com outra mulher. Além disto, acrescentou que a mãe tem apenas 15 anos.

Por conta disto, as duas suspeitas foram detidas e encaminhadas para a delegacia. Antes, a indígena de 15 anos foi encaminhada para o hospital, onde passou por atendimento, já que havia dado à luz poucas horas antes.

Depois, a polícia foi informada que a bebê apresenta um quadro clínico estável, somente com uma deficiência respiratória leve. O caso continua a ser investigado. Via olhardireto

1 Visitas hoje!
49 Total de visitas!

Responder

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui